Richard Simonetti - Falar com Deus

 

 

FALAR COM DEUS

Richard Simonetti

richardsimonetti@uol.com.br

 

       

        – Oro muito. Passo horas falando com Deus...

        – Horas?

        – Sim, seguindo orientação de um amigo que entende do assunto, pronuncio duzentas vezes, diariamente, o Pai Nosso.

        – E não se perde nas contas?

        – Há um método especial para controlar.

        – Não é muito?

        – A gente acostuma.

        – E quais os benefícios que procura na oração?

        – Saúde, paz, bem-estar para mim e minha família…

        – Tem obtido resultados?

        – Não tanto quanto desejava. Mas assim consigo conviver com meus males e problemas.

        – Não seria melhor aprender a superá-los?

        – Tenho tentado com a oração, mas é difícil.

        – Talvez seja porque você não está realmente orando. Apenas reza, repetindo palavras.

        – Não entendo. Não foi Jesus quem nos ensinou?

        – Sim, mas o objetivo não foi dar uma fórmula mágica, cujo valor esteja na repetição. Jesus demonstra, no Pai Nosso, o que é orar, isto é, quais os sentimentos que devemos mobilizar quando nos dirigimos a Deus.

        – Mas enquanto repito a oração não estou me ligando a Deus?

        – São os sentimentos, não as palavras, que nos ligam a Deus. Em vez de repetir duzentas vezes, diariamente, o Pai Nosso, experimente fazê-lo apenas uma vez, lentamente. Detenha-se em cada frase. Faça um exame de consciência em função dela.

        – Isso é reflexão…

        – Exatamente o que a oração deve ser, um mergulho dentro de nós mesmos para ouvir o que Deus tem a nos dizer.

        – E dá para ouvir Deus?

        – Experimente. Reflita, já em princípio, sobre a grande notícia que há no início da oração ensinada por Jesus.

        – Deus é nosso pai…

        – Exatamente. Um pai justo e misericordioso que trabalha incessantemente pela nossa felicidade. O Senhor espera apenas que o procuremos na intimidade de nossos corações para nos agraciar com suas bênçãos.